INÍCIO
NOTÍCIAS
PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO
ORIGEM DO BAIRRO
HISTÓRIA DO BAIRRO
POR DENTRO DO BAIRRO
MEMÓRIA HISTÓRICA
EXPANSÃO URBANA
LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA
LEGISLAÇÃO GERAL
NOSSO PATRIMÔNIO TOMBADO
NOSSO PATRIMÔNIO
PRESERVADO E TUTELADO
ÓRGÃOS PÚBLICOS
SOLICITAÇÃO DE DEMOLIÇÃO
ESPAÇOS CULTURAIS
REDE BOTAFOGO DE CULTURA SOLIDÁRIA
GALERIA DE FOTOS
HISTÓRICO
ESTATUTO SOCIAL
DIRETORIA
ATAS DAS REUNIÕES
RELATÓRIO DE GESTÃO
DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS
AÇÕES JUDICIAIS
CAMPANHAS E EVENTOS
PROPOSTAS E PROJETOS DA AMAB
VÍDEOS
INSCRIÇÃO PARA ASSOCIADOS
EDIÇÕES ANTERIORES
ANUNCIE NO MANEQUINHO
SERVIÇO DENTÁRIO
TELEFONES ÚTEIS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
« voltar
Metrô em alta na Barra
Data: 11/2/2011
Fonte: O Globo
Autor: Selma Schmidt

O governo do estado bateu o martelo: a Linha 4 do metrô, ligando a Barra da Tijuca à Zona Sul, terá uma ponte estaiada (suspensa por cabos), em concreto e aço, que sairá da Pedra do Focinho do Cavalo e passará sobre a Lagoa da Tijuca, seguindo em direção à estação Jardim Oceânico. O secretário de Transportes em exercício, Sebastião Rodrigues Pinto Filho, informou que o projeto da ponte ― com 275 metros de extensão ― é o que foi noticiado pela coluna Gente Boa, do GLOBO, no último dia 3.

Em São Conrado, também há novidades: a rocha será aproveitada como elemento de decoração da estação do metrô, que terá dois acessos - um deles colado à subida para a Rocinha e o segundo do outro lado da Autoestrada Lagoa-Barra, próximo a uma concessionária de veículos. Para facilitar o acesso dos moradores da favela ao metrô, o secretário estadual de Obras e vice-governador, Luiz Fernando Pezão, confirmou estar em estudo a implantação de um teleférico, semelhante ao que foi feito no Complexo do Alemão. A intenção é que a obra seja incluída na segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2).

Há ainda propostas que foram feitas à prefeitura e que constam de um vídeo produzido pelo estado. Uma delas prevê a demolição das atuais pontes de acesso e saída da Barrinha e do Itanhangá. Seria construída uma nova estrutura sobre a Lagoa da Tijuca, com duas pistas, mais elevadas do que as atuais, de modo a permitir a circulação de barcos. Outra ideia é a reurbanização do trecho ocupado pelo canteiro de obras da Linha 4 e por invasões, às margens da Lagoa da Tijuca, que poderia ganhar até uma marina.

― Essas obras não poderiam fazer parte da Linha 4, mas apresentamos à prefeitura como sugestão. Elas foram bem recebidas, mas cabe ao município executá-las ― contou o engenheiro Bento Lima, responsável pela construção da Linha 4.

Em São Conrado, 56 desapropriações

De acordo com o engenheiro, numa primeira avaliação, para a construção da estação de São Conrado serão necessárias 56 desapropriações na encosta próxima à Estrada da Gávea (que corta a Rocinha). As primeiras 20 foram relacionadas em decreto do governador Sérgio Cabral, que tornou os imóveis de utilidade pública para fins de desapropriação.

― Estão previstos mais dois decretos para São Conrado. Todos os imóveis são terrenos. Os que têm construções foram invadidos e vamos negociar com os invasores ― explicou Bento Lima.

O canteiro de obras de São Conrado está sendo instalado. E o túnel deve começar a ser perfurado em 45 dias, marcando o início de uma nova frente, que se somará à da Barra da Tijuca.

―Vamos ter uma estação em São Conrado com dois acessos, o que era um pleito nosso ― afirmou o presidente da Associação de Moradores de São Conrado (Amasco), José Britz, que tomou conhecimento do detalhamento do projeto da Linha 4 durante evento, esta semana, no Hotel Intercontinental, do qual participaram representantes da Secretaria estadual de Transportes, da Rio Trilhos e do consórcio Rio Barra (construtor).

Já na Barra da Tijuca, para a construção de um dos dois acessos à estação do Jardim Oceânico, o Diário Oficial de ontem publicou um decreto do governador tornando de utilidade pública para fins de desapropriação quatro imóveis. Todos ficam na Avenida Armando Lombardi, sendo três no número 601: lojas A, B e C. Atualmente, apenas a loja A está sendo utilizada como um restaurante ― as demais estão vazias. O outro imóvel é um terreno.

― Do outro lado da Avenida Armando Lombardi também poderão ser necessárias algumas desapropriações, para implantar um segundo acesso à estação do Jardim Oceânico. Mas elas serão poucas. Até agora, só retiramos 25 casas de invasores de terreno público, para instalar o canteiro da Barra ― disse o engenheiro Bento Lima. ― Além dos terrenos em São Conrado, não serão necessárias outras desapropriações para perfurar os túneis até a Gávea.

Quanto ao trecho entre a Gávea e Ipanema, o secretário de Transportes em exercício esclareceu que o traçado ainda está sendo estudado por técnicos da Fundação Getúlio Vargas:

― Mas nossa intenção é que haja o menor impacto possível em termos de desapropriações.

Ele confirmou o prazo de dezembro de 2015 para a conclusão da Linha 4 e a tarifa de R$2,80 entre a Barra e a Pavuna.

 

« voltar  |  X topo
  AMAB 2017 - Todos os direitos reservados Web Design: Renato Faria