INÍCIO
NOTÍCIAS
PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO
ORIGEM DO BAIRRO
HISTÓRIA DO BAIRRO
POR DENTRO DO BAIRRO
MEMÓRIA HISTÓRICA
EXPANSÃO URBANA
LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA
LEGISLAÇÃO GERAL
NOSSO PATRIMÔNIO TOMBADO
NOSSO PATRIMÔNIO
PRESERVADO E TUTELADO
ÓRGÃOS PÚBLICOS
SOLICITAÇÃO DE DEMOLIÇÃO
ESPAÇOS CULTURAIS
REDE BOTAFOGO DE CULTURA SOLIDÁRIA
GALERIA DE FOTOS
HISTÓRICO
ESTATUTO SOCIAL
DIRETORIA
ATAS DAS REUNIÕES
RELATÓRIO DE GESTÃO
DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS
AÇÕES JUDICIAIS
CAMPANHAS E EVENTOS
PROPOSTAS E PROJETOS DA AMAB
VÍDEOS
INSCRIÇÃO PARA ASSOCIADOS
EDIÇÕES ANTERIORES
ANUNCIE NO MANEQUINHO
SERVIÇO DENTÁRIO
TELEFONES ÚTEIS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
« voltar
Associações de moradores recorrem à Justiça para eliminar efeitos do novo Plano Diretor do Rio
Data: 03/02/2011
Fonte: Portal R7
Autor: Evelyn Moraes
Entidades dizem que faltou participação popular nas discussões

Divulgação / Prefeitura do Rio

Para ordenamento do uso do solo, prefeitura dividiu a cidade em quatro macrozonas

 

Os efeitos do novo Plano Diretor do Rio de Janeiro estão na mira da Justiça. A FAM-Rio (Federação das Associações de Moradores do Rio), entidades representativas de seis bairros (Botafogo, Copacabana, Jardim Botânico, Horto, Santa Teresa e Vargem Grande), e dos sindicatos, o dos Arquitetos e o dos Engenheiros, do Estado do Rio de Janeiro, entraram com uma ação na semana passada pedindo que o projeto de lei não fosse sancionado. Mesmo assim, novas diretrizes da cidade foram assinadas pelo prefeito Eduardo Paes nesta quarta-feira (2) na Câmara de Vereadores.

O processo, que está na 5ª Vara de Fazenda Pública, alega erros na tramitação. Segundo a presidente da Associação de Moradores e Amigos de Botafogo, Regina Chiaradia, uma das principais falhas seria a falta de participação popular na discussão do projeto.

- Apesar de o prefeito Eduardo Paes dizer que o novo Plano Diretor foi discutido, nós estamos reivindicando a participação popular. Faltaram audiências públicas, ninguém apresentou relatórios detalhando os objetivos do projeto. Precisamos discutir a qualidade de vida de cada morador, ver se é ou não interessante que construam indústrias próximas a residências, por exemplo.

O prefeito Eduardo Paes rebateu as críticas e disse que não dava para esperar mais dez anos para o projeto ser aprovado.

- O Plano Diretor foi debatido por dez anos. Foram dez anos de discussão e consultas públicas. O que eles gostam é do impasse, que as coisas não sejam votadas. Desta forma, as coisas não acontecem. É por isso que o Rio de Janeiro foi parar neste lugar que está. 

A polêmica envolve o encaminhamento dado pelo prefeito Eduardo Paes, a partir de 2009, à tramitação do Plano Diretor, que tinha sido votado em primeira discussão em 2006. Paes encaminhou à Câmara de Vereadores uma série de propostas que alteraram conceitos do projeto original apresentado em audiências públicas até 2006. Além disso, 1.324 emendas foram apresentadas entre 2007 e 2010. 

Segundo Luiz Paulo Viveiros de Castro, advogado da FAM-Rio, a liminar deve ser julgada até o fim desta semana.

- Se a liminar for concedida, a Justiça poderá sustar os efeitos do projeto e suspender a sansão do novo Plano Diretor.

Entenda o novo Plano Diretor

O novo Plano Diretor traça as políticas ambiental, habitacional, social e de transporte da cidade e a divide em quatro macrozonas de ocupação: controlada (zona sul e parte do Centro), incentivada (zona norte, subúrbio e parte do Centro), condicionada (Jacarepaguá, Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes e adjacências) e assistida (restante da Zona Oeste). 

O documento foi discutido por mais de dez anos na Câmara dos Vereadores e vai substituir o plano inicial, criado em 1992. O principal objetivo é evitar a expansão urbana desordenada. 

Projeto visa proteger a paisagem da cidade 

O projeto incorporou o conceito de que a paisagem da cidade é o seu maior bem e deve ser protegida. Com isso, a ocupação urbana fica condicionada à preservação de morros, florestas, margens de rios e lagoas e orla marítima.

A nova lei, no entanto, não prevê uma ação automática e imediata para solucionar essas irregularidades, como no caso do Rio Sul, citado por Aspásia. Assim, a remoção de favelas e prédios que obstruem a paisagem natural pode demorar ou nem acontecer.

No caso específico das favelas, o Plano Diretor permite que as ocupações sejam mantidas e urbanizadas com o projeto Morar Carioca, desde que sejam feitas obras de contenção de encostas. Caso contrário, os moradores poderão ser removidos ou reassentados. Segundo a prefeitura, 6.800 famílias das 18 mil que vivem em áreas de alto risco, já foram reassentadas desde o início do governo Eduardo Paes.

 
« voltar  |  X topo
  AMAB 2018 - Todos os direitos reservados Web Design: Renato Faria