INÍCIO
NOTÍCIAS
PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO
ORIGEM DO BAIRRO
HISTÓRIA DO BAIRRO
POR DENTRO DO BAIRRO
MEMÓRIA HISTÓRICA
EXPANSÃO URBANA
LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA
LEGISLAÇÃO GERAL
NOSSO PATRIMÔNIO TOMBADO
NOSSO PATRIMÔNIO
PRESERVADO E TUTELADO
ÓRGÃOS PÚBLICOS
SOLICITAÇÃO DE DEMOLIÇÃO
ESPAÇOS CULTURAIS
REDE BOTAFOGO DE CULTURA SOLIDÁRIA
GALERIA DE FOTOS
HISTÓRICO
ESTATUTO SOCIAL
DIRETORIA
ATAS DAS REUNIÕES
RELATÓRIO DE GESTÃO
DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS
AÇÕES JUDICIAIS
CAMPANHAS E EVENTOS
PROPOSTAS E PROJETOS DA AMAB
VÍDEOS
INSCRIÇÃO PARA ASSOCIADOS
EDIÇÕES ANTERIORES
ANUNCIE NO MANEQUINHO
SERVIÇO DENTÁRIO
TELEFONES ÚTEIS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
« voltar
Novo Plano Diretor pode mudar regra para templos
Data: 30/06/2010
Fonte: O Globo
Autor: Luiz Ernesto Magalhães

O novo Plano Diretor, em discussão na Câmara de Vereadores, poderá autorizar a instalação de templos religiosos em qualquer área da cidade, inclusive estritamente residenciais, e sem estudos prévios do impacto que trariam sobre os bairros. As propostas são de integrantes da própria comissão de Revisão do Plano Diretor: o católico Chiquinho Brazão (PMDB) e o evangélico Jorge Braz (PT do B), bispo da Igreja Universal do Reino de Deus.

A emenda de Chiquinho altera a legislação que criou regras de Zoneamento da Cidade, em vigor desde 1976. Hoje, templos não são permitidos em áreas exclusivamente residenciais (conhecidas como ZRs 1 e 2).

― A Constituição assegura o livre exercício da religião. Se bares e restaurantes podem se instalar em áreas residenciais, por que uma igreja não teria o direito de levar a palavra de Deus aos seus fiéis? Caberá à prefeitura autorizar ou não o funcionamento da entidade religiosa, independente de credo, levando em consideração critérios técnicos que avaliem o impacto da atividade ― disse Brazão.

A presidente da Associação de Moradores do Leblon, Evelyn Rosenzweig critica: ― Isso não tem nada a ver com liberdade de religião, independentemente da fé professada.

Sou judia e, mesmo assim, participei de um movimento contra a instalação de uma sinagoga no Jardim Pernambuco, na década de 90, porque a região sempre foi classificada como ZR-1.

Secretário municipal de Urbanismo do governo Marcos Tamoyo (1975-1979), Pedro Teixeira Soares Neto, que participou dos estudos que das atuais regras de Zoneamento do Rio, critica a proposta: - A diversidade de zoneamentos permite ao cidadão escolher entre morar em áreas mais residenciais ou com mais serviços - disse.

A emenda de Braz, por sua vez, exclui os templos religiosos da exigência de Estudos de Impacto de Vizinhança. O dispositivo, previsto no Estatuto das Cidades (legislação federal), será regulamentado pelo Plano Diretor. O mecanismo prevê que a prefeitura deve exigir uma análise detalhada do impacto de empreendimentos que atraem grande concentração de pessoas ou tráfego (como igrejas, shoppings e hotéis, entre outros).

Braz argumenta que, mesmo com a dispensa do estudo, os templos continuarão a cumprir, outras regras para funcionar, como ser dotados de revestimento acústico. Ele acrescentou que, com a medida, quer evitar que critérios subjetivos ― como preconceitos contra alguma corrente religiosa ― acabem influindo na concessão de novas autorizações.

―Os templos geralmente funcionam em horários de pouco movimento e em fins de semana e feriados, quando o impacto no trânsito não é tão grande. E, independente de crença, eles sempre trazem um impacto positivo na região onde estão instalados. Essas instituições desenvolvem trabalhos sociais e ajudam a conter a violência ― disse Braz.

Paes agora é contra ocupar encostas
Em meio às críticas de especialistas sobre o risco que representaria a criação de regras mais liberais para ocupação das encostas ― elas poderiam ficar mais frágeis, aumentando a ameaça de deslizamentos ―, o prefeito Eduardo Paes voltou atrás em relação à defesa da emenda ao Plano Diretor que permitia a abertura de novas ruas nos morros do Rio. Paes disse, por intermédio de sua assessoria, que está revendo a medida. A tendência é que o governo defenda a permanência das regras atuais, pelas quais é proibido construir novas ruas acima da chamada cota de 60 metros (calculada a partir do nível do mar). Na prática, isso limita a ocupação das encostas a casas.

A emenda, que havia sido apresentada pela Secretaria municipal de Urbanismo, previa a proibição apenas a partir da cota de 100 metros. A sugestão, porém, não tinha unanimidade da prefeitura: em audiência na Câmara, um assessor da Secretaria de Meio Ambiente defendeu abertamente a manutenção das regras atuais e, por causa disso, chegou a ser desautorizado por Paes. A regra que valerá ― se cota 60 ou 100 ― será discutida mês que vem na Comissão de Revisão do plano. Ontem, o vereador Jorge Pereira (PTdoB) disse já ter quatro votos favoráveis, dos cinco necessários à manutenção da cota 60.

« voltar  |  X topo
  AMAB 2017 - Todos os direitos reservados Web Design: Renato Faria