INÍCIO
NOTÍCIAS
PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO
ORIGEM DO BAIRRO
HISTÓRIA DO BAIRRO
POR DENTRO DO BAIRRO
MEMÓRIA HISTÓRICA
EXPANSÃO URBANA
LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA
LEGISLAÇÃO GERAL
NOSSO PATRIMÔNIO TOMBADO
NOSSO PATRIMÔNIO
PRESERVADO E TUTELADO
ÓRGÃOS PÚBLICOS
SOLICITAÇÃO DE DEMOLIÇÃO
ESPAÇOS CULTURAIS
REDE BOTAFOGO DE CULTURA SOLIDÁRIA
GALERIA DE FOTOS
HISTÓRICO
ESTATUTO SOCIAL
DIRETORIA
ATAS DAS REUNIÕES
RELATÓRIO DE GESTÃO
DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS
AÇÕES JUDICIAIS
CAMPANHAS E EVENTOS
PROPOSTAS E PROJETOS DA AMAB
VÍDEOS
INSCRIÇÃO PARA ASSOCIADOS
EDIÇÕES ANTERIORES
ANUNCIE NO MANEQUINHO
SERVIÇO DENTÁRIO
TELEFONES ÚTEIS
EXPANSÃO URBANA E
ESTRUTURAÇÃO DE BOTAFOGO
* Pesquisa baseada em artigo de Sergio Lordello
 

Fazendo parte da freguesia rural de São João Batista da Lagoa, que compreendia a maior parte dos atuais bairros da Zona Sul carioca, o arrabalde de Botafogo, ate o final do século XVIII, não tinha um papel muito expressivo na cidade do Rio de Janeiro. Suas terras compunham a Fazenda do Vigário Geral, de propriedade de Clemente Martins de Mattos. Com a morte deste, em 1702, elas sofrem seu primeiro processo de repartição, dando origem a três chácaras: a da Olaria, compreendendo a maior parte do atual bairro de Botafogo, a do Outeiro e a do Vigário Geral.



A instalação da Corte Portuguesa no Rio de Janeiro, em 1808, provoca a expansão das funções administrativas da capital da colônia, assim como a abertura dos portos e a conseqüente intensificação das atividades comerciais. Botafogo passa a abrigar as camadas abastadas da população que se deslocam das freguesias centrais em busca de seu clima agradável e do encanto de suas belezas naturais.

A Fazenda da Olaria foi adquirida inicialmente pelo Conde dos Arcos, último vice-rei do Brasil. Em 1825 ela é transferida para Joaquim Marques Batista de Leão, que é o primeiro dos moradores de Botafogo disposto a urbanizá-lo, dando-lhe a aparência de um bairro. Subdivide suas glebas para loteamento e abre nelas duas ruas por volta de 1826, a REAL GRANDEZA e a Nova de São Joaquim (Voluntários da Pátria). Seus herdeiros abriram, em 1853, a rua MARQUES e o LARGO DOS LEÕES, onde se situava a mansão da família. Para os proprietários de chácaras, a abertura de ruas em suas terras era interessante, pois valorizava-as na perspectiva de um parcelamento imediato ou futuro.

A intensificação da ocupação da área se fará sentir cada vez mais aceleradamente. Se até meados de 1850, a figura da transferência de propriedade na área é a chácara, a partir daí será o lote de padrões nitidamente urbanos, testada exígua e grande profundidade. Um agente acelerador desse processo foi, sem dúvida, a acessibilidade criada com a introdução de uma série de meios de transporte coletivo que passam a servir Botafogo a partir de 1840, ligando-o efetivamente ao Centro da cidade. A implantação desses meios de transporte, acessíveis às camadas médias e baixas, com maior capacidade de passageiros e cargas e maior número de viagens diárias, decreta o fim do isolamento de que se beneficiava a aristocracia residente e, portanto, da característica eminentemente elitista que marcou sua ocupação inicial.

A chegada do bonde em 1871, cruzando o bairro e indo até o Jardim Botânico, mudando radicalmente a trama intra-urbana da cidade em geral, atinge Botafogo em particular, promovendo uma maior diversificação funcional, propiciando a ampliação do número de estabelecimentos comerciais.

A expansão experimentada pela área de Botafogo no século XIX tem sua expressão física na grande quantidade de novas ruas abertas nesse período, permitindo acesso a outra grande quantidade de novos e sucessivos desmembramentos. Botafogo terá, ao fim do século XIX, lançada praticamente toda sua malha viária atual.

Na abertura de novas ruas, o Poder Público, quando muito, por solicitação do proprietário, fornece ajuda, mas nunca possui recursos suficientes para aterrá-las, calçá-las ou muní-las dos melhoramentos necessários. O ajardinamento do Largo dos Leões, empreendido por seu proprietário, foi um exemplo disso.

O traçado viário atual do bairro espelha esse desenho espontâneo, resultado da soma das iniciativas individuais dos donos das chácaras no período dos parcelamentos intensivos.

O final do século XIX introduz um novo agente neste desenho, antes espontâneo, que são as primeiras iniciativas organizadas por empreendimentos imobiliários. O Banco Mercantil promove a abertura e a venda de lotes concomitantes das ruas Assis Bueno, Álvaro Ramos, Arnaldo Quintela, Fernandes Guimarães, São Manuel, Rodrigo de Brito, Oliveira Fausto e Travessa Pepe. Os irmãos Farani fazem a mesma coisa com a Farani, Barão de Itambi, Jornalista Orlando Dantas, Clarisse Índio do Brasil, Visconde de Caravelas, Visconde Silva, Pinheiro Guimarães e Conde de Irajá. Em fins de 1890, seriam abertas as ruas: 19 de Fevereiro, Aníbal Reis, Paulino Fernandes, Vila Rica, Tereza Guimarães, Elvira Machado, Martins Ferreira, Capistrano de Abreu, Diniz Cordeiro e João Afonso. Estava assim lançada, até o fim desse século, a malha viária interna básica do bairro como a conhecemos hoje.

A ocupação propiciada por esse novo sistema viário que se expande no século XIX, retalhando o bairro em quadras extensas e profundas, liga-se ao processo de "transbordamento" populacional do Centro. Num quadro mais amplo, o Rio de Janeiro sofria os efeitos da crise da cafeicultura fluminense, da abolição da escravatura, da chegada de imigrantes e do início da industrialização. Tudo isso gera uma crise habitacional, que atinge, principalmente, os bairros centrais. No fim do século XIX, consoante com o quadro geral da cidade na época, Botafogo vai apresentar uma ocupação de caráter misto em termos de classes sociais.

O surgimento dos primeiros estabelecimentos de comércio, contudo, está intimamente ligado ao atendimento das necessidades da população residente e a expansão do comércio se dá na mesma medida da expansão do uso residencial. Dados de 1859, relativos a Botafogo, demonstram uma grande concentração de comércio de gêneros alimentícios na Rua São Clemente. Já em 1863, apesar de persistir a predominância do comércio de alimentos, surgem, contudo, oficinas, antes inexistentes. A Rua Voluntários da Pátria, que em 1871 não tinha nenhuma expressão em termos de localização de estabelecimentos comerciais, surge dez anos depois como a de maior número de estabelecimentos no bairro.

A crescente mudança funcional do bairro pode ser especialmente sentida pela transformação que sofre a enseada de Botafogo. Este segmento do bairro, de ocupação originalmente aristocrática, vai mudando sua função principal ainda no decorrer da segunda metade do século XIX, transformando-se na segunda via em importância comercial e de serviços do bairro. Nas primeiras décadas do século XX, já é nítida a concentração de colégios e hospitais no bairro.

Para compreensão do processo de expansão de Botafogo nos primeiros 30 anos do século XX é preciso introduzir uma variável nova que é a ação do Poder Público, que muda radicalmente o seu papel no movimento de expansão urbana. Se antes como vimos, o desenho urbano nas áreas periféricas era de início basicamente espontâneo, resultante de um somatório das iniciativas individuais dos proprietários, muda-se este aspecto com o surgimento da iniciativa privada organizada ao fim do século e o Poder Público passando, logo depois, a interferir diretamente; dando suporte técnico e financeiro à realização do lucro do capital privado através de empreendimentos imobiliários. É o período do redesenho do Centro da cidade, das primeiras iniciativas de "renovação urbana" com a expulsão das camadas pobres das áreas valorizáveis da região central. "O Rio civiliza-se": erradicam-se os cortiços, são feitos novos aterros, arrasam-se morros, expulsam-se as utilizações do solo não-rentáveis.

Neste sentido, Botafogo terá reforçado seu papel de frente pioneira de ocupação da orla atlântica, assumindo cada vez mais a função de passagem, ligação obrigatória do Centro com a orla sul. O bairro passa por um novo processo de ocupação e adensamento, agora acompanhado e avalizado pelo Poder Público através de Projetos de Alinhamento de abertura de novas ruas, concomitantemente a novos loteamentos, principalmente no período 1925-30. As ruas, David Campista, Miguel Pereira, Eduardo Guinle, Bartolomeu Portela, Cesário Alvim, Alfredo Chaves, Vitório da Costa, Embaixador Morgan, Álvares Borgeth, Miranda Valverde, Guilhermina Guinle, Henrique de Novais, Barão de Lucena e Ipu são abertas, nesse período, dentro deste novo espírito.

No bojo da ocupação do bairro, agora tutelada pelo Poder Público, surgem as vilas e habitações coletivas. Essas soluções para o adensamento horizontal do espaço ocupado, são largamente disseminadas nesse período. Servem de moradia para levas de operários, biscateiros, artesãos, funcionários públicos, militares, profissionais liberais, pequenos comerciantes e bancários. Os primeiros vão ocupar os cortiços que se espalham pelo bairro; os últimos irão habitar as centenas de casinhas de vila e avenidas que passam a ser produzidas em grande escala.

É digno de nota o surgimento, nos anos trinta, dos primeiros dados estatísticos indicativos da favelização nos morros do bairro, como Pasmado, Saudade e São João. Paralelamente, o processo de ocupação das encostas do Corcovado nesse período, demonstra o início da saturação da parte plana do bairro.

Em 1933, aproximadamente 30% do total de prédios existentes no bairro é constituído de casas em avenidas, concentradas principalmente na Rua São Clemente, no trecho que vai até a Rua Real Grandeza. Em 1937, estão definitivamente encerradas as construções de vilas em Botafogo, por impedimento da legislação municipal. Esta proibição, aliada à renovação das técnicas de construção, permitirão o processo de adensamento do bairro, através de novas formas construtivas, primeiro com pequenos prédios de três a quatro andares, mais tarde, com edifícios de maior altura.

O período compreendido entre 1940 e 1960, marcado por um "boom" imobiliário nos bairros da orla marítima, principalmente em Copacabana, é uma época de relativa estagnação para Botafogo. Afora o surgimento de novas atividades de serviço, a densificação da Praia de Botafogo e a proliferação de favelas, o bairro mantém-se com uma ocupação predominantemente horizontal, mantendo sua fisionomia típica, basicamente de prédios baixos. O papel de Botafogo como centro de serviços especializados para os demais bairros da Zona Sul já está em marcha nesse período. Reforça-se sua característica como área de ligação entre bairros.

À medida que se intensifica o movimento dos passageiros transportados vai se estabelecendo uma diferenciação crescente no interior do bairro, entre os eixos de passagem e as quadras internas. Ao lado das ruas de intenso movimento, onde se misturam prédios de diversas idades e alturas e diferentes atividades, permanece ainda a imagem - paisagem de um Botafogo residencial e horizontal, com sua arquitetura e suas ruas que nos são tão familiares e que lhe conferem um "rosto" tão singular.

Nos últimos anos, a cidade do Rio de Janeiro, espremida entre seus vales, vive um processo de adensamento cada vez mais intenso. A contínua e crescente utilização das ruas de Botafogo como eixos de passagem, numa resposta mecânica do Poder Público ao aumento progressivo do volume de tráfego gerado, e na busca de interligar, a qualquer custo, os diferentes pontos da cidade, acabam por inviabilizar tentativas eficazes de controle e aproveitamento mais racional do seu espaço. A valorização do solo ao longo desses eixos fomentou a competição pela sua utilização entre diversos setores da atividade social e econômica, estimulando a renovação da área, a sua diversificação funcional e verticalização, muitas vezes aleatória, provocando a expulsão de grande parte de seus antigos moradores e transformando sua paisagem. É um pouco desse Botafogo "remanescente" que consideramos fundamental preservar.

* Pesquisa baseada no artigo de Sergio Lordello, "Expansão urbana e estruturação de bairros do Rio de Janeiro: o caso de Botafogo",in Revista Rio de Janeiro, Dezembro 1986 e na publicação "Botafogo/ história dos bairros", de vários autores, João Fortes Engenharia, 1983.

« voltar  |  X topo
 
  AMAB 2017 - Todos os direitos reservados Web Design: Renato Faria